24.9.08

Medo.
Agora é o que sinto. 
Me envergonho de me sentir assim, claro! É sempre esse sentimento besta de insegurança e desconfiança que faz com que não alcemos os vôos mais altos, ou busquemos desafios maiores.
Estou amedrontada, como criança no escuro. Sinto vergonha, agi erroneamente. Amassei uma folha de papel e joguei no lixo pensando em reescrever o que havia começado naquela folha anterior, mas agora a história não quer mais ser escrita. Temo é pela definitividade. Por aquilo que se estagna, tenho ciência de que não estou nessa parada circulatória. Temo que seja pra sempre. 
Que agora seja diferente.

Via antes pequenos momentos regidos de amor e grandes sonhos. Agora só enxergo momentos entre a penumbra de um sonho possivelmente frustrado. 
Mas agora, como que num momento de devaneio, eu consigo ver tudo como antes: Límpido, sem penumbra alguma, nem essa sombra que parece querer chegar e cobrir toda minha visão do que há de mais bonito. Não quero perder esse sonho. não mais esse. 
Eu vejo-o em mim. Como necessidade. Mas agora parece querer rematar toda essa coisa que existe nesse grosso vão entre nós. Eu Temo pela distância definitiva, pela falta que há de fazer, pelos pesadelos que hão de me perserguir, pelos sábados todos...
Não temo pelo desconhecido, e sim por aquilo que já sofri.
Eu sei da minha dor, e só eu sinto-a com a mesma grandeza de que amo todas e quaisquer coisas que possuo o mínimo afeto que seja.
Eu sou covarde e o que eu quero agora é mais momentos de devaneios, de embriaguez e de qualquer coisa que me tire esse medo. Que me esconda... 
Temor é o pior verbo que já tive o desprazer de conhecer e, por auto-experiência, saber como se conjulga, especialmente em primeira pessoa. 

3 comentários:

Junior Matos disse...

:S
egua
nao encontrei erro lá ó :O
pode me dizer quais são?
=*

Junior Matos disse...

:P
ta dizendo neh :)
:*

Clarice caldas disse...

Ah amiga,se fosse só teu medo ainda era superável ou consolável,todos nós o temos,e essa é a parte que nos deixa para morrer,se não sentissemos porém nunca enfrentaríamos algo que queremos enfrentar,apesar de tudo o medo nos leva pra frente,às vezes não,claro.
Lindo texto,pena que esta cheio de tristeza...E covardia,sinceridade e agonia,de ti.
Amor:*